Total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Salva de alvorada.

Salva de alvorada e eu, acordada
Se raiar o dia eu não durmo mais
Passo um café e abro as janelas.
Salva de alvorada e eu, abandonada.

Salve São João e eu não me salvo
Como eu me livro desta escuridão?
Ando por ter medo de parar pra sempre.
Salve são Longuinho e eu não me acho.
Não tenho caminho nesta ocasião.

Saldo negativo desta madrugada:
Olhos demarcados de roxo covarde.
Salva de alvorada, e eu não amanheço.
Salve Santo Antônio de braços vazios.
Selva é esta cama sem o meu menino.









11 comentários:

  1. Olá Srta poeta! Quando o dia nasce o sol nos ilumina internamente! abração
    http://ives-minhasideias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Karine, gostei do teu versejar.
    Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. Gostei de ter passado por aqui. Vou ficar.
    Boa semana.
    Beijo,
    Nita

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde,
    Criação perfeita, seu lindo poema é profundo que passa um mensagem importante.
    O sol nasce para todos para ser acolhido e vivido com intensidade.
    Abraço
    ag
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito seu blog, mas estes versos em particular me tocaram.
    "quem faz um poema salva um afogado", dizia o Quintana, e foi isso mesmo que senti. Ótimo ter descoberto este espaço,
    Beijo.
    Rodrigo.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Olá. Como vai?

    Karine Tavares é pseudônimo?

    ResponderExcluir
  9. Selva é a "Paulista" sem você, vazias são as ruas arborizadas e limpas se não tem você. Pra que tanta gente, tanto ar limpo, se a caminhada não é compartilhada? Recue, um passo atrás e saberá o quanto estou perto. Me dá sua mão, sua boca. E minha mão firme colherá cachos do seu cabelo e avisto sua nuca. Quero você toda, corpo e alma, realidade e sonhos, café e planos, chão e estrelas. Vem alegrar o coração cansado e aflito. Antes que faltem as minhas palavras, mesmo as erradas, pois sem elas eu silencio.

    (vou mandar e-mail sobre o seu livro)

    ResponderExcluir

"E somente a alguns, a que tal graça se consente é dado lê-la..."